» Missão, objetivo e atividades.
» Realizações ABBA
» Diretoria
» Composição
» Eventos ABBA
» Revista Batata Show
» Contato
» Botânica
» Valor Nutricional
» Fitossanidade
» História da Batata
» FAQ - Perguntas e respostas
» Área, produção e produtividade
» Importações de batata semente
» Agroquímicos
» Pesquisa
» Legislações
» Variedades
» Institutos de Pesquisa e Laboratórios
» Preços
» Eventos nacionais
» Área, produção e produtividade
» Organizações
» Pesquisa
» Eventos internacionais
» Galeria de Fotos
» Entretenimento
» Nome x Países
» Piadas de batata
» Mídia da Batata Nacional
» Mídia da Batata Internacional
» ABBA na Mídia
» Anúncios » Currículos



Visite também o Website
Monday, April 24, 2017
Home Missão, objetivo e atividades Composição Revista Batata Show Eventos ABBA Contatos


BATATA MÍDIA | ABBA na Mídia


Multiplicação de valores
A supervalorização de produtos derivados da batata, frente ao baixo preço pago ao produtor, assusta a cadeia produtiva quanto ao futuro do setor.

O atual sistema de comercialização é considerado o principal problema da Cadeia Brasileira da Batata.
A discussão deste assunto é muito complexa, por isso nesta oportunidade restringiremos nossos comentários e sugestões somente sobre a questão da classificação. Nas próximas oportunidades pretendemos escrever sobre a identificação, os descontos (vulgarmente chamado de “barba”), a inadimplência, as legislações vigentes, etc.

A classificação atual é baseada no diâmetro dos tubérculos que resulta nas seguintes classes: Florão, Especial, Primeira, Segunda, Pirulito ou Bolinha e Diversas.

A Florão é vendida principalmente para ser consumida como batata assada ou internacionalmente conhecida como “backed potato”. Imagine um saco (50 kg) com batatas de 250g a 500g, ou seja, de 100 a 200 tubérculos sendo vendidos pelos produtores aos atacadistas a R$ 15,00 e cada “backed
potato” sendo vendida aos consumidores em media por R$ 5,00 a R$ 10,00...

A classe Especial mistura tubérculos que variam de 100g a 250g no mesmo saco. Naturalmente nas quitandas, sacolões, feiras e supermercados os consumidores que chegarem primeiro escolherão o tamanho que desejarem, enquanto os que chegarem depois terão que pagar o mesmo preço pelas batatas menores. Algumas redes de varejo aproveitam a oportunidade para misturar batatas de classificação inferior (primeira ou segunda) e continuam a vender pelo mesmo preço... Imagine o produtor vendendo uma saca de Especial de R$ 30,00 a R$ 40,00 e principalmente as grandes redes de varejo vendendo por R$ 1,50 a R$ 2,00 / Kg aos consumidores.

As batatas classificadas como Primeira e Segunda (tubérculos de 30 a 80g) muitas vezes são vendidas em promoções nas grandes redes de varejo. Aliás esta tem sido uma “tática” muito utilizada para atrair os consumidores. Imagine o produtor vendendo batatas classificadas como Primeira ou Segunda por R$ 10,00 a R$ 15,00 / saco aos atacadistas e varejistas e os consumidores pagando em media R$ 0,10 a R$ 0,50 / Kg. Vale lembrar que freqüentemente algumas redes de varejo vendem batatas abaixo do preço pago ao produtor ou pressionam os mesmos a fornecer gratuitamente... senão ele será substituído por outro fornecedor.

As batatas Pirulito ou Bolinha (tubérculos de 30 a 50g) são vendidas principalmente como aperitivos em bares, restaurantes ou vão de coadjuvante do “file mignon” no prato principal de muitas empresas que organizam casamentos. Geralmente o produtor vende esta batata por menos de R$ 15,00 / saco. Imagine um saco de Pirulito transformado em espetinho alcançando de R$ 600,00 a R$ 800,00 e os “buffets” cobrando de R$ 35,00 a R$ 60,00 / pessoa...

As Diversas (tubérculos deformados ou com danos superficiais) normalmente são destinadas à indústriade batata palha ou indústria de “seleta” – batata cozida enlatada. O produtor recebe menos de R$ 10,00 / saco. Se considerarmos que a conversão de batata fresca para batata palha é de 1:4, ou seja, para cada 4 Kg de batata frita obtém-se 1 Kg de batata palha e o preço médio pago pelo consumidor é de R$ 15,00/ saco... um saco de diversas se transforma em R$ 187,50...

Mediante este cenário podemos concluir que os produtores recebem pouco e consumidores pagam muito... Que tal tentarmos negociar uma distribuição equilibrada... ou que será da produção nacional a curto e médio prazo?


Natalino Shimoyama, Gerente Geral ABBA
Fonte: Revista Cultivar HF – Fevereiro/Março 2005 – Ano VI – nº 30
http://www.cultivar.inf.br/

Enviar por e-mail Topo da página

ABBA | Associação Brasileira da Batata
Rua Euclides de Moraes Rosa, 45 – Jardim Itália, Itapetininga - SP/Brasil
15 3272.4988 | sitebatata@terra.com.br