» Missão, objetivo e atividades.
» Realizações ABBA
» Diretoria
» Composição
» Eventos ABBA
» Revista Batata Show
» Contato
» Botânica
» Valor Nutricional
» Fitossanidade
» História da Batata
» FAQ - Perguntas e respostas
» Área, produção e produtividade
» Importações de batata semente
» Agroquímicos
» Pesquisa
» Legislações
» Variedades
» Institutos de Pesquisa e Laboratórios
» Preços
» Eventos nacionais
» Área, produção e produtividade
» Organizações
» Pesquisa
» Eventos internacionais
» Galeria de Fotos
» Entretenimento
» Nome x Países
» Piadas de batata
» Mídia da Batata Nacional
» Mídia da Batata Internacional
» ABBA na Mídia
» Anúncios » Currículos



Visite também o Website
Sunday, May 28, 2017
Home Missão, objetivo e atividades Composição Revista Batata Show Eventos ABBA Contatos


BATATA MÍDIA | ABBA na Mídia


Futuro Industrial.
Estimativa da ABBA é de que em menos de dez anos o consumo de batatas industrializadas supere o de tubérculos frescos no Brasil. Cenário que obrigará a cadeia produtiva a se adaptar à nova realidade, cujas perspectivas de mercado são promissoras

A população brasileira consome atualmente mais batatas frescas do que processadas, ou seja, ainda predomina o consumo em que os pratos à base de batatas são reparados nos próprios locais tais como os lares, bares, hotéis, restaurantes etc, ao invés de serem compradas semiprontas ou prontas (batatas processadas) para serem onsumidas.

As batatas frescas são preparadas e consumidas predominantemente nas formas cozidas, saladas, assadas, massas etc, enquanto as batatas industrializadas são consumidas basicamente nas formas de batata chips, palha, desidratadas (purê) e pré fritas congeladas.
O abastecimento de batatas para consumo nas formas frescas e industrializadas como chips e palha provem basicamente da produção nacional, enquanto as batatas industrializadas como desidratada e pré frita congelada são quase na sua totalidade oriundas do exterior, principalmente de países adjacentes de alguns países europeus.
De uma forma geral, o consumo de batatas frescas e industrializadas na forma de chips e palha estão reduzindo, estagnados ou com um crescimento muito pequeno, enquanto o consumo de batatas pré fritas congeladas e batatas desidratadas vem crescendo rapidamente.

As razões da mudança na forma de consumo estão relacionadas basicamente à raticidade, aos resultados culinários e até mesmo aos preços pagos pelos consumidores finais. Às vezes as batatas processadas custam menos que batatas frescas... as batatas processadas são mais saborosas que as batatas frescas, pois foram utilizadas as variedades corretas... as batatas processadas ficam prontas em três minutos e as frescas demoram mais de 30 minutos...

Esta situação continuara mudando e dentro de alguns anos (< dez anos) o consumo de batatas industrializadas será maior que o consumo de batatas frescas no Brasil. areditamos que o abastecimento de batata processada será predominantemente realizado por indústrias brasileiras e significara à milhares de empregos, ustentabilidade da Cadeia Brasileira da Batata e conseqüentemente benefícios sociais e econômicos ao Brasil.

Apesar da auto-suficiência no abastecimento de batatas frescas e de batatas processadas como chips e palha o Brasil já possui algumas indústrias que estão sendo construídas para abastecer o mercado nacional com os produtos à base de batata que s ão importados (pré fritas congeladas, desidratadas). Há também algumas iniciativas ou intenções para iniciar em breve a produção de outras formas de batatas industrializadas como minimamente processadas, ração animal etc.

A consolidação do processo de industrialização no Brasil é irreversível e significara aos produtores alcançar a competitividade necessária para a sua sustentabilidade neste mundo cada vez mais globalizado.

Vale lembrar que as oportunidades são muitas, a começar pelas condições “naturais” extremamente favoráveis – solo, clima, água, topografia etc. Temos também um grande mercado a ser explorado e abastecido.

Não podemos esquecer que as principais ameaças são a falta de profissionalismo inter intra-segmentos da Cadeia Brasileira da Batata e do governo através de sua eficaz e faminta política tributária. Não há necessidade de protecionismo ou subsídios, basta sinergias que resultem em ganhaganha para todos os segmentos envolvidos.


Natalino Shimoyama, Gerente Geral ABBA
Fonte: Revista Cultivar HF – Dezembro 2006 / Janeiro 2007 – Ano VII – nº 41
http://www.cultivar.inf.br

Enviar por e-mail Topo da página

ABBA | Associação Brasileira da Batata
Rua Euclides de Moraes Rosa, 45 – Jardim Itália, Itapetininga - SP/Brasil
15 3272.4988 | sitebatata@terra.com.br